quinta-feira, 22 de abril de 2010

SÃO PEDRO, PRIMEIRO PAPA - SÃO PEDRO EM ROMA -ICR/LCP I-I-3




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.66



Livro I - A Igreja Católica
'
Capítulo I - S. PEDRO, PRIMEIRO PAPA
'
§ 3.- São Pedro em Roma



SUMÁRIO - Tese católica. Prova: Testemunhos do século terceiro; do século segundo; do século primeiro; De S. Pedro. Argumento arqueológico. - S. Pedro, primeiro bispo de Roma. - Objeções do Sr. Carlos Pereira:: Silêncio de S. Lucas; de S. Paulo. - Conclusão.



Libertado de sua prisão em Jerusalém partiu pouco depois o príncipe dos apóstolos para a capital do Império onde fixou a sua sede episcopal.


Sobre e evidência deste fato histórico não pairou em toda a antiguidade cristã a menor sombra de dúvida. Foi MARSÍLIO DE PÁDUA (séc. XIV), empenhado em defender Luís de Baviera contra o papa João XXII (notai como a negação da verdade tem sempre a sua origem nos estos de uma paixão em luta), quem primeiro lhe pôs um ponto de interrogação. Os protestantes converteram para logo a dúvida em negação formal. Não foram eles protestantes se não lançassem mão de quanta arma, boa ou má, lhes estivesse ao alcance para impugnar o odiado "papismo".


CARLOS PEREIRA navega no esteira dos seus antepassados em protestar. O estabelecimento da sede episcopal de S. Pedro em Roma é, na sua argumentação, o terceiro elo da corrente "que deve prender a metafórica barca de S. Pedro aos cais de uma instituição divina", p. 215. Ora, "a alta crítica moderna de abalizados historiadores tem mostrado à saciedade o nulo fundamento de tão generalizada tradição", p. 265.


Receio muito que esta "alta crítica moderna" tão pomposamente assoalhada seja apenas um velho preconceito de partido e que os "abalizados historiadores", tão confiadamente invocados, não passem de sectários tendenciosos que tentaram dobrar a realidade objetiva dos fatos ao aprioismo dos seus caprichos.


LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.67



Consultemos com serena imparcialidade os documentos, analisemos-lhes o valor probativo e deslindemos as dificuldades protestantes.


No exame dos antigos testemunhos seguiremos o métodos regressivo, remontando do século III aos tempos apostólicos. Desses testemunhos alguns são omitidos, outros criticados pelo Sr. CARLOS PEREIRA, que, porém confessa abertamente não os conhecer de primeira mão. Os subsídios do seu estudo foi ele haurir "nos amplos mananciais da obra prodigiosa" (p. 278) de GREENOOD, Cathedra Petri, História política do grande patriarcado latino. Nem era mister que o declarasse. A quem quer que tenha ligeira notícia dos antigos documentos, as páginas do Sr. CARLOS PEREIRA revelam para logo um autor de todo ponto profano e peregrino no conhecimento direto das fontes históricas primitivas do Cristianismo. Não obstante, com o só auxílio de textos insulados, bebidos em segunda ou terceira derivação, abalança-se o intrépido gramático ao exame do importante debate. Não temos, pois, pela frente um historiador que no estudo direto das fontes antigas se tenha formado uma convicção pessoal. Combatemos apenas um sectário que transcreve citações e observações alheias só por lhe irem ao sabor dos preconceitos individuais.
Aos documentos.


Século III. - Em meados do terceiro século CIPRIANO (M.258), bispo de Cartago e primaz da África, numa epístola a Antoniano diz-nos: "Vagando a sede de Fabiano, isto é, a sede de Pedro e da dignidade da cátedra sacerdotal, foi Cornélio criado bispo. 92


ORÍGENES (m.254), o maior luminar da escola de Alexandria, refere-nos que Pedro ao ser martirizado em Roma, pediu e obteve fosse crucificado de cabeça para baixo.93

CLEMENTE ALEXANDRINO (c. 150-215), mestre e predecessor de Orígenes, atesta-nos que S. Marcos escreveu o seu Evangelho a pedido dos romanos que ouviram a pregação de S. Pedro. 94



___

92. "Factus est Cornelius, com Fabiani locux, ind est, locus Petri et gradus catyhedrae sacerdotalis vacaret". Epist. X ad Antonianum (ML, iii. 770, 773).

93. Comment, in Genes, t. 3 (MG, XII, 91). Cfr. EUSÉB., Hist. Eccles., III, ' (MG, XX, 216).

94. "Cum Petrus in urbe Roma verbum Dei publice praedicasset et Spirutu Sancto afflatus Evangelium promulgasset, multi qui aderant Marcum Adhortati sunt... ut quae ab apostolo praedicata erantu conscribaret". A´EUSÉB., Hist. Eccles., VI, 14 (MG, XX, 551).





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.68



Destas palavras confessa o Sr. CARLOS PEREIRA que "se poderá inferir a presença do pessoal de S. Pedro em Roma" p. 219, inferência, porém, que "não é muito segura diante do verbo grego traduzido - proclamar -, visto que o termo original significa proclamar como arauto, e não implica necessariamente a presença do proclamador". p. 291. - Engana-se: proclamar como arauto exige a presença do proclamador. Aliás basta ler o contexto para ver que esta é a única interpretação aceitável.


O autor do Carmen adversus Marcionem, falsamente atribuido a Tertuliano, cantou:


Hac cathedra, Petrus qua sederat ipse, locatum


Maxima Roma Linum primum considere jussit;


e pouco abaixo:


Constabat pietate vigens Ecclesia Romae
Composita a Petro cujus sucessor et ipse
Jamque loco nono cathdram suscepti Hygynus
95.

O autor da obra Philosophumena, que muito provavelmente é S. HIPÓLITO e certamente floresceu no primeiro quartel do terceiro século, não destoa da voz comum. "S. Pedro, diz-nos ele, resistiu em Roma aos artifícios de Simão Magno que, com os seus prestígios, tentara ilaquear a fé dos romanos".96

Por último TERTULIANO (m. c. 222), que, pelos fins do segundo século, viveu longos anos na capital do Império, mais de uma vez faz menção da estada de S. Pedro em Roma. "Nero foi o primeiro a banhar no sangue o berço da fé. Pedro, então, segundo a promessa de Cristo, foi por outrem cingido quando o suspenderam na cruz". - "Oh! Igreja feliz [Roma], à qual deram os apóstolos com o seu sangue o tesouro de sua doutrina, onde Pedro se assemelhou ao mestre no gênero de morte, etc.". Em outra obra diz-nos ainda que Pedro batizou no Tibre como o Batista no Jordão.97 Escrevendo

___

95. ML, II, 1077.

96. Philosophumena, VI, 20 (MG, XVI, 3226).

97. "Orientem fidem Roame primus Nero cruentavit. Tunc Pedtrus ab altero cingitur, cum cruci adstringitur." Scorpac., c. 15 (ML, II, 151). "Habes Romam... Ista quam felix Ecclesia, cui totam doctrinam apostoli cum sanguine suo profuderunt; ubi Petrus passioni dominicae adeaquatur" De Praescriptione, c. 36 (MG, II, 49) - "Nec quidquam refert inter eos quos joannes in Jordano et Petrus in Tiberi tinxit" De Baptismo, c. 4 (ML, I, 1023) - Clemente Alexandrino, o autor do Carmen contra Marcionem e Tertuliano, de fato são autoridades que remontam ao segundo século, em que floresceram. Só pela data de sua morte os nomeamos entre os do século seguinte
.




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.69



contra os hereges, o vigorosa polemista apela para a estada de Pedro na


Cidade eterna, sem o mínimo receio de ser nisto desmentido.


Excetuando o de Clemente Alexandrino, por cima de todos estes testemunhos passa o Sr. Carlos Pereira com prudentíssimo silêncio. Talvez o Sr. Greenwood não os tenha mencionado na "sua obra prodigiosa".


Nas fronteiras do III com o II século depara-nos a história o testemunho de CAIO, presbítero que floresceu no tempo do papa Zeferino e compôs um livro contra o catafrígio Proclo. Desta obra, hoje perdida, conservou-nos Eusébio o seguinte fragmento: "Posso mostrar-te os troféus dos apóstolos. Quer vás ao Vaticano, quer à via Ostiense, encontrarás os troféus (memórias) dos fundadores desta Igreja [Roma]".98


Existiam, pois, em Roma nos fins do séc. II dois monumentos que lembravam aos fiéis o lugar do martírio dos dois apóstolos. A quando remontavam? Diz-nos o Liber Pontificalis que Anacleto (ou Cleto), segundo sucessor de S. Pedro, "memoriam beati Petri construxit et composuit"; De fato, as recentes escavações arqueológicas permitem determinar com suficiente rigor a situação destes antigos monumentos. O sepulcro de S. Pedro achava-se juntamente com outras sepulturas e com um columbário pagão à direita da Via Cornélia que margeava o circo de Nero, no Vaticano.99

Século II. - Entre os autores desta época merece especial atenção S. IRINEU (M. 202). Educado na escola de POLICARPO, que, por sua vez, fora imediatamente formado pelo discípulo predileto, só uma geração o separa da era apostólica. Passou a juventude no Oriente; criado mais tarde bispo de Lião conheceu a tradição das Gálias; durante o seu episcopado empreendeu uma viagem a Roma para estudar as origens e doutrinas da grande Igreja. O Oriente e o OcIdente falam, pois, pela boca autorizada de Irineu. Ora, na sua grande obra Contra as heresias, repetidas vezes fala-nos ele da presença de S. Pedro em Roma. Lembremos um só texto: "Mateus, achando-se entre os hebreus, escreveu o Evangelho na língua
___

98. "Ego vero, inquit, apostolorum trophea possum ostendere. Nam sive in Vaticanum si ad Otiensem viam pergere libet, occurrent tibi trophaea eorum qui ecclesiam illam fundaverunt". Ap. EUSÉB., Hist. Eccl., II, c. 25 (MG, XX, 210).

99. Cfr. H. GRISAR, Roma Alla fine del mondo antico (2), Roma, 1908, pp. 225-6.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.70




deles enquanto Pedro e Paulo evangelizavam em Roma e aí fundavam a Igreja.100

A este testemunho faz o Sr. CARLOS PEREIRA algumas observações. Diz-nos que "apenas autoriza a vaga inferência da presença de S. Pedro em Roma", p. 289. Vaga, por que? Será possível falar mais claro que dizer que S. Pedro e S. Paulo evangelizaram em Roma? Mas com óculos esfumaçados até os esplendores do meio-dia parecem penumbras de crepúsculo. Continua o crítico: mas o testemunho de Irineu é contrário à ideia do seu [de Pedro] episcopado transferido a seu pseudo-sucessor", p. 289. Sobre este ponto voltaremos logo. Não convém baralhar as questões. Por ora só pretendemos por em seguro o fato histórico da presença de S. Pedro na capital do Império. E para este fim basta o citado testemunho de Irineu revestido de tantas e tais condições de veracidade que ele só bastaria à crítica mais razoavelmente severa.



Pelo ano 170 temos outra prova no fragmento de uma carta escrita por DIONÍSIO ao papa Sotero (166-174). O bispo de Corinto, um dos homens mais célebres do seu tempo, recorda a viagem a Roma de Pedro e Paulo e compara as igrejas de Corinto e de Roma a uma seara plantada pelos dois apóstolos: "[Pedro e Paulo] assim como vieram à cidade de Corinto plantando a nossa Igreja com os seus ensinamentos, assim igualmente se foram a Itália onde vos doutrinaram e sofreram o martírio no mesmo tempo".101

Às apostilas do Sr. Carlos Pereira.


1.º Primeiro confessa que "a presença de Pedro em Roma é única inferência legítima deste documento fragmentário", mas que "nada aproveita à tradição papal visto que associa S. Paulo à fundação da Igreja de Roma prejudicando a idéia de um episcopado exclusivo de Paulo (erro de imprensa: deve ser S. Pedro)" página 281. - Aproveita, Sr., em primeiro lugar porque estabelece a presença de Pedro em Roma contra "a mais alta crítica moderna". Aproveita ainda porque nada obsta que S. Pedro tivesse sido o
___

100. "Matheusin hebraeisipsorum lingua Scripturam edidit Evangelii cum Petrus et Paulus Romae evangelizarent et fundarent Ecclsiam". Adv. Haer. L. III, c. 1, n. 1 MG, VII, 844). Cfr. também L. III, c. 3, n. 2 (MG, vii, 848); EUSÉB., Hist. Eccles., 1, V, c. 6 (MG,xx, 446).

101. "Ambo eninm illi in urbem nostram Corintum ingressi sparso evangelicae doctrinae semine nos instituerunt et in Italiam profcti cum vos similiter instituissent eodem tempore martyium pertulerunt". Ap. EUSÉB., Hist. Eccles., 1, V, c. 6 (MG, xx, 446).






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.71



primeiro bispo de Roma ainda que Pedro e Paulo a tivessem fundado.102 A igreja de Jerusalém foi fundada por todos os apóstolos e só Tiago foi o seu primeiro bispo. A razão é simples. A primazia da igreja de Roma não é consequência do fato material de a haver fundado Pedro, mas sim dos títulos ao primado que só Pedro possuía e não Paulo. A Pedro e não a Paulo dissera Cristo: tu és pedra fundamental da minha Igreja; apascenta o meu rebanho. Um general com seus oficiais fundam uma colônia. Quem transmite o supremo poder: Todos os fundadores? Não, só o general que o possui.


2.º "O trecho é confuso e os termos vagos: grande divergência tem provocado a sua tradução do original grego", p. 281. Quanto à confusão, julgue-a o leitor: "Como Pedro e Paulo ensinaram em Corinto assim estiveram em Roma onde padeceram o martírio ao mesmo tempo". Há frase mais clara? - As divergências a que alude o adversário deixam intacto o valor do testemunho na presente questão, versam apenas sobre diferentes lições gregas de outros termos.103

3.º "Pedro é aí considerado como fundador da igreja de Corinto quando sabemos pelos Atos dos apóstolos (XVIII-II) que São Paulo é o seu exclusivo fundador", p. 281.


Fundador, sim, diz o lugar citado; exclusivo, não; enxertou-o por sua conta e risco, o Sr. CARLOS PEREIRA. Aliás DIONÍSIO afirma apenas que S. Pedro ensinou aos coríntios do mesmo modo (ομοιωs) não no mesmo tempo que S. Paulo. Contra este testemunho de tanto peso quem poderá provar que o príncipe dos apóstolos na sua viagem a Roma não tenha pregado e doutrinado em Corinto? E nesse caso quem melhor o poderia afirmar que o próprio bispo coríntio que conservava os arquivos e dípticos de sua Igreja e, na sua juventude, conhecera os contemporâneos dos apóstolos?
___

102. Pedro e Paulo são chamados fundadores da igreja de Roma porque ambos trabalharam na sua formação, ambos nela selaram a fé com o martírio. Cronologicamente, porém, Pedro chegou antes a Roma: S. Paulo só mais tarde quando ali já medrava uma florescente cristandade, como ele próprio diz na sua epístola aos romanos.

103. Discutiu-se sobre se se devera ler Φοιτήσαντες ou Φυτεΰσαντες. Com PEARSON e Stenglein se atêm os modernos críticos à segunda versão que diz mais naturalmente com o contexto e é a lição de todos os códigos gregos e da antiquíssima versão siríaca. Mas que tem que ver esta questão de crítica textual com a substância do depoimento? EUSÉBIO que, parece, sabia grego e possuía a obra de DIONÍSIO, cita o seu testemunho sem a menor hesitação em apoio do martírio dos dois apóstolos em Roma. A observação do Sr. Carlos Pereira só se explica pelo intuito de lançar poeira nos olhos dos leitores ingênuos.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.72



4.º "As vagas expressões do bispo de Corinto não nos dizem se os dois apóstolos foram plantadores das duas igrejas pelo ensino falado ou escrito, pela palavra pregada ou escrita em suas imortais epístolas", p. 282. - Mesquinha escapatória! Se se trata de simples ensino escrito, Pedro e Paulo seriam fundadores de todas as igrejas apostólicas. Por que, então, só associá-los na fundação da igreja de Roma? E por que só Pedro e Paulo? Por que motivo não encontramos em nenhum escritor que João, Mateus e Lucas foram fundadores da igreja de Roma por seus escritos "que incontestavelmente circulavam em todas as igrejas apostólicas?", p. 282. E se não basta, leia o Sr. CARLOS PEREIRA pela 2.ª vez o testemunho de DIONÍSIO: "Os dois apóstolos assim como estiveram em Corinto assim se foram para a Itália onde ensinaram a fé e por ela deram o sangue". Em última análise, lógica ou gramatical, se podem entender semelhantes termos de suas cartas e não de duas pessoas? Por último, diz o bispo de Corinto que os dois apóstolos padeceram juntos o martírio na Itália. Foi, porventura por meio "da palavra escrita em suas imortais epístolas" que Pedro e Paulo morreram mártires ao mesmo tempo?




"Disto concluímos que o testemunho de Dionísio, bispo de Corinto, não oferece base segura para afirmarmos a presença pessoa de Pedro em Roma", p.283. - Disto concluímos que a uma crítica reduzida à senilidade de semelhantes observações não resta senão pedir aposentadoria científica.




Mais chegado ainda aos tempos apostólicos é o testemunho de PAPIAS, bispo de Hierápolis, e discípulo imediato de S. João. Tocamos já a era apostólica. Ora, PAPIAS, como nos refere EUSÉBIO, atesta abertamente que S. Marcos escreveu o seu evangelho em Roma, aprovando-o S. Pedro, e que desta cidade datou o príncipe dos apóstolos a sua primeira epístola.105


Da autoridade de PAPIAS descarta-se o Sr. CARLOS PEREIRA com dizer que "seus escritos se perderam" e que, segundo Eusébio, "ele pareceu ter sido um homem de fraca inteligência", p. 277, - Ponhamos os pontos no ii. Que os escrito de PAPIAS se tenham perdido pouco importa à questão. EUSÉBIO que os possuía na íntegra transcreve-nos a sua afirmação e isto basta. "Homem de pouco engenho", chamou-o uma vez o autor da História Eclesiástica por haver interpretado em sentido material alguns símbolos e metáforas dos Profetas e do Apocalipse. Mas não é mister grande cabedal de
___

104. EUSÉB., Hist. Ecclesiást. II, 15 (MG, XX, 171)





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.73




talento para saber e afirmar um fato histórico tão simples como a estada de um apóstolo em Roma. Que em matéria histórica PAPIAS fosse autoridade digna de fé, mostra-o o próprio EUSÉBIO que o cita frequentes vezes em apoio de suas asserções. A pouca perspicácia do exegeta não desvirtua a veracidade do historiador.


Façamos um alto aqui e lancemos um olhar retrospectivo. Se não tivéramos outras provas da presença de S. Pedro em Roma, só por si, o depoimento concorde dos autores citados bastaria para estabelecê-la com toda a certeza. Por uma série ininterrupta de testemunhos ascendemos dos meados do séculos III aos primeiros anos do século II. Não encontramos uma só voz discorde. Em Cartago e em Corinto, em Alexandria e em Roma, nas Gálias como na África, no Oriente como no Ocidente, a viagem do príncipe dos apóstolos à cidade dos Césares é afirmada unanimemente sem hesitação alguma, como fato sobre o qual não pairou nunca a mínima suspeição de dúvida. TERTULIANO e IRINEU, CIPRIANO e EUSÉBIO, ORÍGENES e CLEMENTE ALEXANDRINO são pela crítica moderna reconhecidos como autoridades dignas de toda a fé. Próximos ao acontecimento narrado, dispondo de inumeráveis documentos, hoje, para nós perdidos, quem melhor que eles poderia verificar a existência do fato e confutá-lo se não fosse autêntico? A impossibilidade moral de erro em homens tão eruditos quão virtuosos cresce ainda de ponto se considerarmos a natureza do acontecimento atestado. A permanência de S. Pedro em Roma era um fato público e notório; seu martírio, sob Nero, deveria repercutir logo em toda a cristandade como notícia de primeira importância. A autoridade, a supremacia, que, como veremos no capítulo seguinte, começou logo a exercer a igreja de Roma sobre todas as demais tinha como fundamento histórico a sua fundação por Pedro. Suposto falso esse fundamento, como explicar o silêncio conivente das igrejas do Oriente, das Gálias e da África, que, sem uma voz de protesto, se submetiam à sua jurisdição? Como conceber ainda que, se Pedro houvera sido martirizado em qualquer outra igreja, permitiria ela em silêncio que a despojassem de seus títulos de glória sem reivindicar com todos os esforços para o estema nobiliárquico de sua origem a honra singular de haver sido 'pupureada com o sangue do grande apóstolo?105
___

105. A universidade desta tradição impôs-se até à heresia. Todos os apócrifos ebionitas e gnósticos (os principais são: Evangelium Petri, Acta Petri, Praedicatio Petri e os escritos falsamente atribuídos a S. Clemente: Recongnitiones, Homeliae, Constitutiones apostolicae) que inventaram mil lendas sobre S. Pedro concordam todos em assentar em Roma a sede do seu episcopado.




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.74



Mas se, em face dos princípios da crítica histórica mais desapaixonadamente exigente, essas provas já seriam de si plenamente demonstrativas, não são, todavia as únicas que podemos produzir. Com PAPIAS tocamos os primórdios do século II; INÁCIO DE ANTIOQUIA e CLEMENTE ROMANO levam-nos à era apostólica. Achamo-nos assim na presença de testemunhas coevas.


INÁCIO (m. 107 ou 117), bispo de Antioquia, conviveu longos anos com os apóstolos. Condenado por TRAJANO nos princípios do século II, de viagem para Roma, onde foi supliciado, escreveu várias epístolas a diferentes igrejas, confortando-as na fé e na obediência aos superiores hierárquicos. Numa destas cartas dirigidas aos romanos, depois de lhes pedir instantemente não quisessem, com suas orações, privá-lo da palma do martírio, diz: "Tudo isto não vos ordeno como Pedro e Paulo;106 eles eram apóstolos, eu, um condenado; eles livres, eu servo".107 Nestas palavras INÁCIO supõe como fato conhecido de todos que Pedro e Paulo exerceram a sua autoridade entre os romanos.


Não, contesta o nosso gramático, "onde chegaram as epístolas destes dois representantes do Apostolado aí foram eles realmente mestres, sem haver em rigor necessidade da presença pessoal deles", p. 278. - Sempre o mesmo subterfúgio ridiculamente mesquinho. Semelhante interpretação, se é que se lhe pode dar este nome, está em irredutível antagonismo com o contexto desta epístola e o de todas as outras do glorioso mártir. INÁCIO não fala de doutrina, mas de jurisdição (διατάσσομαι) exercida pelos apóstolos entre os romanos. Mais. O magistério epistolar de Pedro e Paulo foi comum a todas as igrejas; por que, pois INÁCIO escrevendo aos efésios, aos tralianos, aos magnésios, não une estes dois nomes que só associa a propósito de Roma? Por que nomeia ao mesmo tempo Pedro e Paulo senão porque ambos estiveram em Roma? Por que falar em Pedro se este nenhum relação teve com os romanos? De fato, se não esteve em Roma, como aos romanos não escreveu coisa alguma, nada mais de particular tinha com eles, nada mais lhes ordenara do que Tiago, Judas e João.
___


106. Carlos Pereira substitui erroneamente a verdadeira tradução por esta outra: "não sou vosso mestre como Pedro e Paulo". Λιατάσσομαι não é ser mestre, mas exercer jurisdição.

107. "Non ut Petrus et Paulus vobis praecipio. Illi apostoli, ego condemnatus; illi liberi, ego usque nunca servus. Ad Rom., c. 4; FUNK, I (2) 219.






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.75





É pois evidente que INÁCIO sabia da viagem de Pedro a Roma.108 Veja o ilustre gramático como é arriscado aventurar-se a criticar documentos que não se conhecem senão em retalhos de empréstimo.

CLEMENTE ROMANO (m. c. 101) foi o terceiro sucessor de Pedro, conheceu-o pessoalmente em Roma e, com muito probabilidade, foi testemunha presencial do seu martírio. É, pois, uma autoridade de valor excepcional. Citemos, apesar de longo, todo o lance da sua epístola ao coríntios, na qual alude ao martírio de S. Pedro. E para que melhor se veja a força do seu testemunho ponhamos, lado a lado, o trecho que traduzo imediatamente do original grego e a versão deturpada e mutilada do gramático paulista:



___


108. Cfr. A. HILGENFELD, Historisch-Kritische in dz N. T., Leipzig, 1875, p. 621. O autor é protestante, outrora professor de teologia em Iena. Dele são as últimas considerações acima.

109. I Cor., c. 5, 6 (F. I (2) 67-69)






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.76





A referência à perseguição de Nero, em que juntamente com Pedro e Paulo foi martirizado grande número de cristãos, é manifesta. Clemente abrira a sua epístola com estas palavras: "as repentinas desgraças e calamidades que nos saltearam impediram-me de acudir mais cedo às vossas divergências".111 Diante deste testemunho, que faz o Sr. CARLOS PEREIRA ou o autor de quem o transcreveu cegamente? Mutila o texto, suprimindo-lhe o primeiro e o último período e depois conclui ovante: "Ao martírio de Pedro é vaga a alusão e até parece não coincidir ele com o de Paulo. Tirar, pois, deste tópico... a conclusão de que Pedro e Paulo moraram e morreram juntos em Roma é levar a conclusão muito além das premissas", p. 276. - Sem dúvida, com semelhante crítica de tesoura não há prova nem documento que resista. Mas a ciência deixou sempre estes recursos inconfessáveis a folhetinistas falseadores ou foliculários inconscientes.112


Testemunho de S. Pedro. - Fechemos a série destas provas com o testemunho do próprio S. Pedro, que remata a sua primeira epístola com estas palavras: "sauda-vos a igreja eleita que está em Babilônia e Marcos meu filho", I Petr. V, 18 - Que neste passo com


___


110. S. Clemente escrevia de Roma e em toda a epístola opõe sempre a nós - romanos, ao vós - coríntios.

111. Note-se de passagem a solicitude pastoral que da igreja de Corinto mostra o sucessor de S. Pedro.

112. Ouça-se o grande historiador PAULO MONCEAUX: "De ce texte célèbre on doit tirer trois indications précieuses: 1º Clement considérait Pierre et Paulo comme les apôtres de l'Église romaine; 2º il admettait le martyre de Pierre à Roma; 3º il praçait ce martyre au temps de la persécution de Néron. - Or, la lettre a été écrite à Roma vers 95, trente ans après le martyres des duex apôtres, par un homme qui les avait surement connus. Il faut être bien exigeant pour ne pas reconnaitre dans de texte, un témoignage de premier ordre", Revue de histoire et littérature religieuse, mai-juin 1910, p. 227.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.77



a expressão metafórica de Babilônia indique S. Pedro a Roma, afirmam unânimes todos os antigos intérpretes: PAPIAS, EUSÉBIO, CLEMENTE ALEXANDRINO, S. JERÔNIMO, etc., nem um só há que assim o entenda.
113 Não foram, pois, "os teólogos do papado", p. 266, que inventaram a interpretação como recurso de polêmica. Foram os protestantes que naturalmente acharam uma nova exegese. Babilônia não designa a capital corrupta do império, mas outra cidade; Qual? Não no-la sabem dizer ao certo. Quem aventou Babilônia do Egito; mas esta não passava então de um simples presídio militar cuja população se reduzia a um manípulo de legionários. Quem alvitrou Babilônia da Assíria; mas esta, naquele tempo, como nos atestam ESTRABÃO, PLÍNIO, DEODORO SÍCULO, LUCIANO e PAUSÂNIAS, quase de todo destruída, era pouco mais que um deserto.114

Os que votam por Babilônia do Egito acham inconsistentes as provas em favor de sua homônima da Mesopotâmia. Aos que preferem Babilônia de Assíria os argumentos em pró da outra parecem evidentemente nulos. É de ver aqui a força tenaz do preconceito. Rejeitam os adversários a estada de S. Pedro em Roma afirmada por uma série inumerável de irrecusáveis autoridades e abraçam sem hesitar uma opinião que não tem por si um só testemunho. Sim, não há um só autor antigo que nos fale desta viagem de S. Pedro. A igreja de Babilônia que só muito mais tarde apareceu na história do cristianismo, mas ainda assim teve pretensão a origens apostólicas, nunca reclamou o nome de Pedro como fundador. E quão fácil seria? Não tinha ela , consoante a hermenêutica protestante, a prova mais irrefragável desta origem nas páginas inspiradas?



O Sr. CARLOS PEREIRA, entretanto, para tornar mais plausível a sua interpretação copia a SMITH no seu Dictionary of the Bible: "Em apoio da opinião de que Babilônia designa tropicamente Roma
___


113. "De Babylone dissidente veteres et novi interpretes. Veteres Roman interpretantur ubi Petrum fuisse nome verus christianus dubitavit; novi Babylonem in Caldaca. Ego veteribus asssentior". HUGO GREGÓRIO, in I Petri, Opera theologica, Basilese 1732, t. III p. 1112.

114. "Nunc Babylone haec (Seleucia) major est. Illa magna ex parte deserta, ut intrepide de ea usurati possit quod de Megalopoli Arcadiae quidam dixit comicus: "Magna urbs, magnum desertum". STRABO, Geographia, l. XVIII, c. 1. "Ipsius Babylonis exigua quaedam portio nunc habitatur maximaque inter muros pars agrorum cultui est exposita". DEODORO SÍCULO, l, II, c.9. "Babylon chaldaicarum gentium captu diu summam claritatem conditae a Nicatore intra nonagesimum lapidem in confluente Euphatis". PLÍNIO, Hist., Nat. l, VI, c. 30 Cfr. LUCIANO, Charonte, 23; Philopatris, 29, PAUSÂNIAS, Arcadica, l, VIII, c. 23: Οΰδέυ έτι ήν ει μή τείχος.






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.78





(1 Pet., V, 13) citam uma tradição narrada por Eusébio (H. E., II, 15) com a autoridade de Papias e Clemente de Alexandria, para mostrar que a I Pedro foi escrita em Roma. Oecumenius e Jerônimo afirmam que Roma era figurada por Babilônia". Esta opinião , diz ele, deve ser "rejeitada", e poucas linhas adiante afirma que Babilônia de Assíria "nesse tempo era largamente habitada por judeus", p. 267, citando entre parêntesis a autoridade de Josefo, Ant., XV, 3, §1, e Filo, De Virt., p. 1023, de Franc. 1691.

Dificilmente em tão poucas linhas se poderiam amontoar mais falsidades e falsificações. Antes de tudo SMITH afirma precisamente o contrário do que lhe afivela o pastor brasileiro. Copio e traduzo, apesar de longo, quase todo o artigo de SMITH, na palavra Babilônia: "... restam a considerar duas opiniões: 1.ª que Babilônia significa Roma. Em apoio desta opinião cita-se a tradição recordada por Eusébio (H. 1. II, 15), firmado na autoridade de Papias e de Clemente de Alexandria, para provar que I Ptr. foi escrita em Roma. Oecumenius e Jerônimo asseveram que Roma é figuradamente designada por Babilônia. A tradição uniforme e constante dos antigos escritores cristãos é que Babilônia neste passo é nome conhecido de Roma, quartel general das influências anticristãs. Esta opinião sufragada por Grocius, Lardnen, Cave, Whitby, Macnight, Hales e outros é hoje geralmente adotada, is th opinion generally adopted now (cf. Speaker's Comm, anda Burger in Strack u. Loeckler's Kgf. Komm. em loco). A suposição muito natural que por Babilônia se designe a velha Babilônia de Assíria deve sua origem a Calvino "to whom it was a "stronhod o popery" e foi defendida por Lithfott e Bentley. Mas Babilônia apesar de largamente habitada por judeus em tempos anteriores a Calígula achava-se nos fins do governo deste imperador (c. A. D. 40) quase de todo despovoada de sua colônia judaica (Jos. Ant., XVIII, 9, § 9)
e é difícil supor que uma igreja cristã composta de hebreus convertidos nela se tenha podido estabelecer em menos de um quarto de século depois da catástrofe".
___


115. WILLIAM SMITH, D. C. L.,. L. L. D., and J. M. FULLER, M. A., A dictionary of th Biblie (2), Londron 1893, Vol.I, p. 332. Não posso acabar de me convencer que o pastor brasileira tenha truncado conscientemente a citação do seu correligionário. Só me resta uma explicação que abraço sem hesitar: ou o Sr. Carlos Pereira possui outra edição do famoso dicionário ou encontrou a sua citação em outro artigo. O fato encerra, porém, uma lição memorável. As opiniões históricas de certos protestantes variam com as edições de seus dicionários ou os preconceitos dos autores de diferentes artigos. Como se vê estamos bem longe de uma verdade conquistada "pela alta crítica moderna". - E já que o Sr. Calos Pereira mostra tão acentuada preferência pela erudição fácil das enciclopédias, consulte ainda T. K. CHEYNE anda J. SUTHERLAND BLACK, encyclopedia Bíblica, Londres 1902, Vol., III, col.3681; JAMES HASTINGS, A dictyionary of the Bible, Edimburgh 1898. Vol.,I, p. 213, onde se diz que a evidência interna e externa militam em favor da interpretação tradicional. A outra foi introduzido por Calvino "por motivos polêmicos".




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.79



Abro JOSEFO FLÁVIO no lugar indicado e que leio? Que Herodes Magno antes da era vulgar depôs a Ananel, sumo pontífice, oriundo dos judeus que haviam sido deportados em massa para Babilônia. Quem duvidou jamais deste fato? Mas que prova ele em favor da existência de uma numerosa colônia judaica em Babilônia na época em que S. Pedro escreveu a sua primeira epístola? O próprio FLAVIO, no l. XVIII, c. 9, falando dos tempos de Calígula (estamos, pois, na idade apostólica) conta-nos como os judeus, que habitavam na Mesopotâmia e em Babilônia, acossados pelos idólatras fugiram, a princípio, para Selêucia, mas também aí alcançado pelo ódio homicida dos seus perseguidores, pereceram quase todos em horrenda carnificina. Outros foram dizimados pela peste. (Cf. RENAN, L'Antichrist2 Paris 1873, p. 122, nota). O testemunho de Josefo, portanto, longe de contradizer, confirma o dos outros autores que já referimos.

E FILO? Na obra citada pelo Sr. CARLOS PEREIRA diz-nos que Petrônio (preside romano na Síria em tempos de Calígula) vira com os próprios olhos que os judeus habitavam em Babilônia e possuíam muitas outras satrapias. Para que não pareça haver contradição como o que afirma FLÁVIO basta ler três páginas adiante. Referindo-se a tempo posterior diz: "excetuada parte de Babilônia e de outras prefeituras, todas as cidades circundadas de campos férteis são habitadas por judeus".116

A expulsão dos israelitas de Babilônia, referida por FLÁVIO, coloca-se naturalmente entre as duas afirmações de Filo, concordando-as. Os dois autores judeus não discordam dos pagãos: PLÍNIO, LUCIANO, PAUSÂNIAS, etc. Conclusão: a cidade de Babilônia (Babylon-onis) não passava de uma deserto; na região babilônia não havia judeus quando S. Pedro escreveu a sua epístola. Aí está o em que dá o repetir papagaiamente o que disseram outros. A singular prerrogativa do crítico paulista de citar autores que não conhece expõe-no frequentes vezes ao desmancha-prazeres destas desagradáveis surpresas.
___

116. "ΠάΠάσαι γάρ, έξω μέρους, βραχεος Βαβυλων, και των αλλων σατρσπειων αί άρετωσαν έχουσιν οικήτας".PHILO, Opera, , Berolini 1915, t. VI, PO. 207. A outra citação, p. 4. Na edição de Leipzig, 1829, t. VI, p. 131.




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.80



Passemos às razões intrínsecas.

Não deixam de ser interessantes as condições do nosso crítico em abono de sua mal parada exegese. Numa carta, diz ele, não está bem uma locação figurada. "Não é crível que no estilo epistolar que se distingue pela simplicidade e singeleza didática, empregasse Pedro uma figura...", p. 267. - Não sei que ojeriza lhe veio ao ilustre gramático com as metáforas. Não se usam metáforas no estilo epistolar? Mas é inaudito! Aponte-me o Sr. CARLOS PEREIRA qualquer epistolário, sagrado ou profano, de PAULO ou de CÍCERO, de Mme. de SEGIGNÉ ou de VIEIRA, e eu las colherei a mãos cheias. Mas nem é necessário sair da epístola que examinamos. Cinco versículos acima pinta-nos S. Pedro o demônio que "tamquam leo rugiens cicuit quaerens quem devoret". Que bela metáfora: Ademais, se o ensino de Pedro tem a forma de carta, o seu estilo conserva-se sempre nas eminências de uma nobreza e dignidade onde não só não descabem, mas são até ornamento natural as locuções figuradas. E que mais viva metáfora que chamar Babilônia à cidade da qual mais tarde, na majestade tuliana do seu estilo, dirá S. LEÃO MAGNO que: "cum penes omnibus dominaretur gentibus onium gentiom serviebat erroribus et magnam sibi videbatur assupsisse religionem quia nullam respuebat falsitatem?".117 - E não haveria perigo de erro ou equívoco da parte dos leitores, como parece temer o Sr. CARLOS PEREIRA? Não havia. Entre os judeus era uso corrente apelidar Babilônia a cidade dos Césares. Entre cristãos não o era menos.118 Qualquer dúvida que ainda pudesse pairar no espírito dissipá-la-ia Silvano, portador da carta.

A segunda consideração do ilustre pastor é simplesmente digna de lástima. "Só quarenta e tantos anos mais tarde é que a figura recebeu a sanção do N.T. com a publicação do Apocalipse... Antes do Apocalipse não consta, segundo observa Eliot, que escritor algum chamasse Roma de Babilônia", p. 267. - O que vale tanto como dizer: na epístola de S. Pedro não se deve encontrar a metáfora Roma-Babilônia porque só aparece pelo primeira vez no Apocalipse. E a metáfora aparece pela primeira vez no Apocalipse porque não a

___

117. LEO MAGNUS, Sermo 1 in Nativ. Petri et Pauli (ML, LIV. 423).

118. Dos judeus em particular escreve CHR. SCHOETTGEN: "Judaeis solemne erat Romam Babylonem vocare, quia eo modo quo babylonii judaeis sub templo primo vexarunt tandem totam regionem cum templo devastarunt, sic romani fecerunt templo secundo". Horae hebraicae et talmudicae, Lipsiae 1733, t. I, p. 1050. Cfr. ibid. p. 1125 vários textos de antigos rabinos em apoio desta asserção.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.81




usara ainda Pedro. Aí têm os professores de filosofia elementar um exemplo típico de círculo vicioso para propor aos seus estudantinhos a lógica.


Deixemos estas infantilidades e concluamos. Tão naturalmente se impõe aos espíritos sensatos a interpretação católica que em nossos dias, serenados os furores anti-romanos, os mais ilustres entre os críticos protestantes, de conserva com os racionalistas, a ela vão aderindo em número de dia a dia drescente. HOFFMANN, THIERSCH, WIESINGER, EWALD, BAUR, SCHWEGLER, ZAHN, HARNACE, ZELLER, RENAM e outros muitos já não discordam da interpretação tradicional.119

Vem ainda confirmá-la o inciso que imediatamente se segue às palavras que comentamos: "Saúda-vos a igreja que está em Babilônia e Marcos meu filho". Ora, Marcos nesta época (c. 1-62) não se achava em Babilônia mas em Roma. Di-lo abertamente S. Paulo em duas epístolas escritas durante o seu primeiro cativeiro na capital do império. Na epístola aos colossenses, IV, 10, "Saúda-vos Aristarco... e Marcos, primo de Barnabé; na epístola a Filemon v. 24: saúda-te Marcos, etc.". Nem é tudo. O exame interno do nosso segundo evangelho, em admirável consonância com os mais antigos testemunhos históricos, atesta-nos que Marcos escreveu as suas páginas inspiradas em Roma, sintetizando nelas a pregação e os ensinamentos do príncipe dos apóstolos. PAPIAS, JUSTINO, IRINEU, ORÍGNES CLEMENTE ALEXANDRINO depõem contestes em favor desta verdade.120





___

119. HOFFMANN, Schriftbeweiss, 1855, II, 641; II, THIERSCH, Kritik der newtestamentichen Schrften, Erlangen1845 p.110; WIESINGER, Der erste Bief des Apostels Petrus, Koerningsberg 1856, p. 339: EWALD, Sieben Sendschreiben, Goettinghen 1870, p. 2; F. CHR. BAUR. Paulus, der Apostel Jesu Christi (2), Leipzig, 1867, I, p. 245; A. SCHWEGLER, Das nac-apostolische Zeitalter, Tubingen 1845, II, 18 ss.;ZAHN, Einleitung in das N. T., Lepzig 1899, II(2), 17;HARNACK, Die Chronologie der altchristlichen Litteratur, Leipzig 1897, I, 455; E. ZELLER, Zeitschrift fuer wissenschaffl, Theologie, de Hildenfeld, 1876, pp. 34-35; RENAN, L'Antichist (2), Paris 1875, p. 122: "afin de dépister les soupons de la police, Pierre choisit pour désigner Rome le nom de l'ntique capitale de l'impiété asiatique, nom dont la signification symbolique n'échappait à personnne". Citemos ainda PH. SCHAFRF, tantas vezes escolhido como seguro mentor pelo novo gramático: "Todas estas dificuldades [expulsão dos judeus de Babilônia, falta de documentos positivos, presença de S. Marcos em Roma no ano 61-3] obrigam-nos a voltar à primitiva exegese, única seguida na antiguidade, segundo a qual Babilônia designa Roma" Geschiichte der apololischen Kerche(2), Leipzig 1864, p. 368. Nesta e nas páginas precedentes encontrará o Sr. Carlos Pereira diluídos pelo seu correligionário todos os argumentos que enxertou tão sem crítica no seu "estudo dogmático-histórico".

120. PAPIAS, apud EUSÉB., H. E., 1, III, c. 39 (MG, XX, 299);IRINEU, Adv. Haer., 1, III, c. 1, n. 1 (MG, VII 845); ORÍGNES, ap. EUSÉB., H. E., 1, VI, 14, (MG, XX, 551), Cfr. FOUARD, Saint-Pierre(1), Paris, Lecoffre, 1903, c. XX, pp. 440-457.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.82




À vista de tudo isto podemos deixar ao crítico paulista a consolação de entoar triunfante o seu hino de vitória: "assim se desfaz como o pó diante do vento a melhor prova que os defensores do Papado possuem da estada de S. Pedro em Roma", p.267.


S. Pedro, bispo de Roma. - Depois de havermos longamente provado a estada de S. Pedro em Roma, não há por que nos detenhamos em demonstrar que o apóstolo foi outrossim bispo dessa cidade. Nega o Sr. CARLOS PEREIRA, mas com a mesma sem-razão com que recusara admitir a primeira parte da tese. O testemunho histórico tem o mesmo valor aqui como lá. Não abusaremos da paciência do leitor aduzindo nova e interminável lista de autoridade. Basta observar que IRINEU, CAIO, o autor anônimo do Carmen adversus Marcionem, S. CIPRIANO, S. OPTATO, S. AGOSTINHO, S. JERÔNIMO, SULPÍCIO SEVERO 121 etc. atestam unânimes o episcopado romano do príncipe dos apóstolos. Basta lembrar que, sem exceção de um só, todos os catálogos dos bispos de Roma, organizados a mais acurada diligência sobre os documentos primitivos pelos antigos escritores, assim do Ocedente como do Oriente, colocam invariavelmente o nome do Pedro à frente de todos; com ele abrem a lista nunca interrompida da sucessão episcopal de Roma.122




Não posso deixar de insistir sobre o testemunho de IRINEU e de EUSÉBIO de novo falseados pelo Sr. CARLOS PEREIRA. diz o texto de Irineu: "Fudantes igitur et instuentes123 beati apostoli ) Petrus et Paulus] ecclesiam, Lino epscopatum tradiderent... Succedit autem ei Anacletus. Post eu tertio locam ab apostolis
___

121. CAIO, do papa Vitctorm diz: "Tertius ac decimus a Petro fuit Romae episcopus". Ap. EUSÉB., H. E., 1 V, c. 28 (MG, XX, 511). S. JERÔNIMO, "Simon Petrus... Romam pergit ibique 25 annis cathedram sacerdotalem tenuit". De vir., Illust., c. 1 (ML, XXIII, 607). S. AGOSTINHO: "Petro enim successit Linus" Epist., 53 (165) c. ', c. 2 Ad Generosum )ML, XXXIII, 196). "Cathedra tibi quid fecit Ecclesiae romanae in qua nunc Anasthasius sedit". Contra literas Petiliani, 1. II, c. 51 (ML, XLIII, 300). SULPPÍCIO SEVERO, falando do tempo de Nero: "Eo tempore divina apud urbem Romam religio invaluerat, Petro ibi episcopatum gerente". Hist. Sacra,1. II, n. 28 (MG, XX, 145). Os outros testemunhos já foram citados. Cfr. Apêndice.

122. Quem quiser verificar a asserção poderá consultar 19 destes catálogos organizado por antigos escritores latinos, gregos, siríacos, árabes, etc., apud DE SMEDT, Dissert. in primam aetatem Hist. Eccles., Gand 1876, apêndice K, pp. 83-96.


123. A propósito deste inciso pondera o nosso crítico: "Lino, segundo Irineu, foi ordenado bispo não só por S. Pedro, mas também por S. Paulo. Portanto se por este fato é ele sucessor de S. Pedro, o é também de S. Paulo", p. 287. - Não é por este fato, não, Sr. O bispo de Roma pode ser ordenado por qualquer bispo. A sucessão no primado lhe advém dos títulos divinos que só Pedro e não Paulo possuía; já o dissemos.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.83




episcopatum sortitur Clemens".124 EUSÉBIO na História Eclesiástica: "Linus primus post Petrum... ecclesiae romaneae epicopatu adeptus est".125

Adulterando visivelmente o significado dos textos acima, afirma o Sr. CARLOS PEREIRA que "Lino é considerado o primeiro bispo tanto por Irineu como por Euzébio" para logo concluir: "a exclusão que fazem estes dois eminentes doutores da antiguidade cristã do nome de Pedro da lista dos primeiros bispos de Roma dá em terra com as pretensões destes", p. 288. - Onde a exclusão? Onde a afirmação absoluta que Lino foi o primeiro bispo de Roma? O primeiro depois de Pedro, depois dos apóstolos, post Petrum, ab apostolis, isso sim, afirmam IRINEU e EUZÉBIO. Só o não vê quem tem os olhos vendados. Na sucessão episcopal de Roma os dois escritores dão a Pedro um lugar de distinção, de honra, como a apóstolo e fundador da dinastia espiritual dos pontífices, mas de modo algum o excluem do episcopado. Se Lino foi bispo de Roma e sucedeu a Pedro, Pedro foi outrossim bispo de Roma, que isto quer dizer suceder. Quem diz: SCHELING foi depois HEGEL o primeiro professor de filosofia em Berlim, nega, porventura  que também HEGEL, ensinasse filosofia na capital da Prússia? Quem escreve: FELIPE V foi depois dos Habsburgos o primeiro rei da Espanha, exclui talvez Habsburgos do trono espanhol? Irineu e Eusébio, portanto, não discordam em ponto algum do consenso dos outros escritores que já deixamos citados.126
Mas, neste ponto não se demora o Sr. CARLOS PEREIRA em analisar documentos. Ao fato histórico e real opõe teorias. Pedro não foi bispo de Roma porque não o podia ser; e não o podia ser por duas razões: 1) Porque os apóstolos eram bispos universais e não podiam prender-se a igrejas particulares: "Absurdo é, portanto, ser Pedro... bispo universal... e ser ao mesmo tempo bispo local ou particular de Roma. O mesmo fora dizer que o presidente federal poderia ser simultaneamente governador do Estado de S. Paulo", p.273-4. - Por que, porém, seja absurdo não se dignou declarar-nos. Talvez por incompatibilidade essencial? Mas o Papa não foi

___

124. Adv. Haer., III, 3 (MG, VII, 849).

125. Hist. Eccles., l. III, c. 4 (MG, XX, 222).

126. Aliás, EUSÉBIO no seu Chronicon, em texto prudentemente calado pelo Sr. Carlos Pereira, se exprime com uma clareza insofismável: "Petrus apostolus cum primum antiochenam ecclesiam fundasset, Romam mittitur, ibique evangelium praedicans XXV anis eusdem urbis episcopus perseverat... Post Petrum, primum romanam ecclesiam tenuit Linus". Chronicon, l. II (MG, XIX, 539, 543). À perspicácia do gramático paulista o inventar uma nova tortura crítica que o desembarace deste texto importuno.





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.84





sempre e ainda hoje bispo de Roma e bispo de toda a Igreja? Porventura por ser Pedro apóstolo? Mas esqueceu o Sr. CARLOS PEREIRA que dez páginas antes (p. 262) havia chamado - e acertadamente - a Tiago, bispo de Jerusalém? A comparação aduzida prova apenas que o adversário não está habituado a analisar o valor lógico de seus argumentos. A incompatibilidade entre a presidência da república e a de um Estado particular resulta, não da natureza das coisas (e para haver absurdo é mister antilogia nos elementos essenciais de uma ideia  mas de uma simples disposição positiva de nossa carta constitucional. Em outra constituição os dois cargos poderiam coexistir harmoniosamente numa só pessoa como uma só e mesma pessoa poderá ser chefe de sua família e presidente de sua nação, rei de Prússia e imperador da confederação germânica.




2) A segunda razão é que "não havia ainda nos tempos apostólicos episcopado no sentido técnico e restrito da palavra, no governo hierárquico da igreja", p. 273. Se o nosso autor, deixando o seu comodíssimo método de asserir sem provas, se desse ao trabalho de corroborar esta afirmação com documentos históricos de valor, veria, ao pôr mãos à obras, toda a impossibilidade da empresa. Nada mais exuberantemente atestado pelos antigos monumentos que a origem apostólica do episcopado. S. Tiago foi bispo de Jerusalém no sentido técnico e restrito da palavra. S. João, no Apocalipse, dirige-se a 7 bispos da Ásia Menor que o eram no sentido técnico e restrito da palavra. S. INÁCIO DE ANTIOQUIA, contemporâneo dos apóstolos, fala-nos frequentemente da hierarquia eclesiástica: "Sem bispo, sem sacerdotes e sem diáconos não há igreja".127 Em cada igreja local o bispo é o intérprete autorizado da doutrina apostólica, é o representante de Deus. A instituição divina do episcopado é claramente afirmada na dedicatória da epístola aos filadelfos: "O bispo, os sacerdotes e os diáconos foram designados no pensamento de Jesus Cristo, que segundo a sua vontade os estabeleceu e confirmou pelo Espírito Santo".128 HERMAS, SÃO CLEMENTE ROMANO, S. DIONÍSIO DE CORINTO, S. IRINEU,
___

127. Ad Trall., III 1-2 (F. I(2), 205).

128. Cfr. Ad. Ephes., II, 2; III, 2; IV, 1 (F., 1(2), 175, 177, 179); Ad Magnes., II; III, 1; XIII, 1 (F., I(2), 193, 201);; Ad Trall., III, 1; VII, 1-2 (F, I(2), 205, 207-9); Ad Philad., I, 1; III, 2; IV; VII, 1; (F I(2), 225, 227, 259); Ad Smyrn., VIII, 1 (F, I(2), 241).





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.85





TERTULIANO, ORÍGENES,129 escritores do primeiro e segundo século (e princípio do terceiro) afirmam como verdade notória e indiscutível a origem apostólica do episcopado. Mais. Todos os catálogos e listas episcopais organizadas por HEGÉSIPO, IRINEU, EUSÉBIO para as igrejas de Roma, Antioquia, Alexandria e Jerusalém mostram-nos uma série ininterrupta de bispos cujo primeiro termo é um apóstolo ou discípulo imediato dos apóstolos.130 Mas não há porque insistirmos em coisa tão evidente. LEIBNIZ, pondo a verdade acima dos preconceitos de seita, escreveu: "De discrimine episcopi et prebiteri utrum et quatenus a jure divino proficiscatur in Ecclesia quidem nulla magnopere dubitatio aut obscuritas est, protestantes vero non solum contra ecclesiam contendunt sed et inter se".131
Outro protestante, o barão VON STARCK reconheceu formalmente que: "em favor da primazia do episcopado de S. Pedro em Roma temos o testemunho de toda a antiguidade cristã desde PAPIAS e IRINEU que viveram ambos no segundo século e dos quais o primeiro era discípulo de S. João... Afirma BASNAGE que nenhuma tradição tem por si maior número de testemunhas: pô-la em dúvida é destruir toda a certeza histórica. Assegura PARSON que nenhum dos antigos pôs em controvérsia a fundação da igreja romana por S. Pedro e a sucessão dos papas a este apóstolo... PUFFENDERF na sua Monarchia Pontifices romani... GRÓCIO nas suas Cartas exprimem-se declaradamente em favor da primazia da igreja Romana, de sua hierarquia e de sua sucessão episcopal... verdade, aliás, tão incontestável que nem LUTERO nem CALVINO, nem os Centuriadores de Magdeburgo ousaram impugná-la.
132
___

129. HERMAS, Pastor, Vis. III, 5, 1, (F. I(2), 361); CLEM. ROM., I cor., XLII-XLIV, (F, I (2), 1134-115); DIONÍS. Cor., ap. EUSÉB., Hist. Eccles., III, 4 (MG, XX, 222); IRINEU, Adv. Haeres. III, 3, n. 4 (MG, VII, 872); TERTUL., De Praescript., XXXII (ML, II, 44); ORÍGENES, Comment, in epist. ad Rom., X, 41 (MG, XIV, 1289). CLEM. ALEX., ap. EUSÉB., Hist. Eccles., III, 33 (MG, XX, 258).

130. Para a igreja de Roma, Cfr. IRINEU, adv. Haer., III, 3 (MG, VII, 849-52); HEGÉSIPO, ap. EUSÉB., Hist. Eccles., IV 22 (MG, XX, 378); EUSÉB., Hist. Eccl., II, 24 (MG, XX, 206. IV 4; V, 12 (MG, XX, 310,459).

131. LEIBNIZ, Systm der Theologie, Mainz 1825, p. 302. Toda esta obra poder considerar-se como a abjuração deste grande gênio que só interesses de ordem mateiral retiveram no protestantismo.

132. VON STARCK, Theoduis Gastmahl oder ueber die Vereinigung der erschiedelnen christichen Religons-Societaetens. Francfurt a. M. 1821, pp. 25-27. (O livro é anômino).





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.86





Só para a escola crítica do gramático paulista não havia ainda nos tempos apostólicos episcopado propriamente dito no governo da Igreja.133

Mas se, mutilando, torturando e falseando textos é possível amordaçar as testemunhas mais irrefragáveis, não se pode impor silêncio às pedra: lapides clamabunt. Aí está a arqueologia a bradar na mudez eloquente de seus monumentos. Em Roma, os bronzes, os mármores, as pedras, os afrescos, tudo fala de S. Pedro. O túmulo do apóstolo na colina Vaticana, o célebre medalhão de bronze descoberto no cemitério de Domitila, a cathedra Petri do cemitério de Priscila na Via Salaria e mil outros monumentos explicados por antiquíssimas tradições locais demonstram irrefutavelmente o episcopado do príncipe dos apóstolos na Cidade Eterna.134
É uma evidência plástica, "uma evidência monumental" na frase enérgica de RODOLFO LANCIANI, o mais autorizado conhecedor moderno da topografia de Roma antiga. "Para o arqueólogo, diz ele, a presença e o martírio de S. Pedro e de S. Paulo são fatos estabelecidos sem a menor sombra de dúvida por simples evidência monumental".135 Unam-se agora os testemunhos escritos com os arqueólogos e concluir-se-á com J. B. DE ROSSI, o Colombo de Roma subterrânea: "queste belle armonie della storia scritta com i monumenti non sono effetti del caso, na pegni della veritá dell'una e degli altri".136

___

133. Quem desejar mais amplo desenvolvimento da questão pode consultar VON DANIN-BORKOWSKI, Die neuren Forschungem ueber die Antaenge des Episcopats, Freib. en Br. 1900; MICHIELS, Les arigines de l'Episcopat, Ouvain, 1900; BATIFFOL, L'Église naissante et le catholicisme, Paris, 1909; BRUDERS, Die Verfassung der Kirche von den ersten Jahrzehnten der apotolischen Wieksamket an bis zum Jahre 170 nach Chr.,Mainz 1904; Dietionnaire apoligétique de la foi catholique, de D'ALÉS, ad v. Evêques.

134. Das inumeráveis memórias de S. Pedro conservadas em Roma algumas são certamente autênticas, outras de autenticidade provável, outras ainda certamente lendárias. A natureza deste escrito nos permite a longa digressão arqueológica necessário ao estudo minucioso de cada monumento em particular. Nosso argumento firma-se no conjunto deles. Para o exame crédito e o valor probativo de cada memória, Cfr. H. GRISAR, Roma alia fine del mondo antico (2), Roma 1908.

135. R. LANCIANI, Pagan and Christian Rome, Londrona Macmillan, 1892, p. 123. No mesmo lugar diz ainda LANCIANI: "Houve tempo que autores pertencentes a credos diferentes faziam quase um caso de consciência o afirmar ou negar a priori estes fatos consoante aceitavam ou rejeitavam a tradição de uma igreja particular. Hoje é esta uma mentalidade já superada ao menos por aqueles que seguem os progressos das novas descobertas e da literatura crítica", Oiyci audabte a o, 125: "Não há acontecimento da época imperial ou de Roma imperial atestado por tantos monumentos convergentes todos para a mesmo conclusão - a presença e o martírio dos apóstolos na capital do império".

136. Bollettino de archeologia cristiana, 1864, p. 86. As escavações e descobertas posteriores só vieram reforçar as conclusões do genial arqueólogo romano. Quase meio século depois escreve MONCEAUX: "Les faits archéologiques, comme les témoignages irrécusables de Clément et Caius, s'accordent avec cette tradition romaine, si constante, se ancienne, si vraissemblable en elle-même, à laquelle on n'oppose que des légendes tardives, sans valeur e sans portée, des gloses de fantaisie e des hypothèses san consistance" Revue d'histoire et de littérature religeuse, 1910, p. 238.








LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.87




Objeções do Sr. Carlos Pereira. - Até aqui construímos. Construímos como os operários que trabalhavam no templo de Jerusalém, com a trolha num das mãos e a espada na outra, edificando e combatendo.
É tempo de provarmos mais de propósito a têmpera das armas adversárias.
Para rejeitar tanto multidão e tanto peso de testemunhos são de esperar provas invencíveis, esmagadoras. E, no entanto, quem tal crera? Não podem os protestantes alegar um só documento positivo em favor de sua tese. Todos os argumentos que trazem à praça são negativos, são argumentos deduzidos ex silentio. Ora, advertem todos os críticos que o argumento ex silentio é de uso delicadíssimo. Para empregá-lo com êxito é mister demonstrar não só que o autor conhecia o fato por ele calado, mas que o devia mencionar expressamente. Semelhante demonstração exige que se conheçam por miúdo todas as circunstâncias de tempo, lugar, pessoas, que acompanharam o seu escrito. Preenche a prova protestante estas condições? É o que nos resta a ver.

Silêncio de S. Lucas. - S. Lucas, dizem, nos Atos dos Apóstolos, não menciona a viagem de S. Pedro. - Que importa? Quis ele dar-nos uma história completa da igreja pimitiva? De modo nenhum. Sua narração abrange apenas os primeiros fatos ocorridos em Jerusalém para restringir-se pouco depois às excursões S. Paulo de que foi o fidus Achates. Nem mesmo de S. Paulo nos conta ele todo o ministério evangelizador. Muitas viagens fez o apóstolos das gentes que só conhecemos pelas suas epístolas. Ora, de S. Pedro que nos dizem os Atos? Que libertado do cárcere em que o encerrara o rei Agrippa abiit in alim locum (XII, 17). Para onde, não no-lo determina. A frase de Lucas deixa, pois, toda a sua força aos nossos argumento positivos. A própria expressão indeterminada in alium locum parece indicar que se trata de uma viagem extraordinária. Quando Pedro ia de uma lugar para outro da Palestina ou da Ásia Menor, Lucas menciona-o sempre expressamente. Aqui, silencia. Talvez motivos de conveniência hoje a nós desconhecidos (provavelmente, a perseguição de Nero que já





LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.88



negrejava no horizonte quando forma escritos os Atos) lhe aconselhavam a reticência.

- Narra-nos ainda S. Lucas (XXVIII, 15) que em chegando S. Paulo a Roma lhe saíram os irmãos ao encontro na Via Ápia, sem mencionar entre eles S. Pedro. Não declina explicitamente nome algum. Aqui uma simples ausência temporária explica o silêncio do autor. Não pretendemos absolutamente que S. Pedro de tal modo fixasse a sua residência em Roma que dela nunca se apartasse em longas ou breves excursões apostólicas, deixando em seu lugar homem de reconhecida prudência e santidade.
- No mesmo cap. XXVIII, v. 23, conta o autor dos Atos que, convocados os principais dentre os judeus de Roma, pediram a Paulo lhes dissesse o que sentia acerca da nova religião, porque, acrescentavam, "o que sabemos desta seita é que em toda a parte a impugnam". E CARLOS PEREIRA logo de concluir: não é absolutamente crível que sendo S. Pedro bispo naquela cidade desde o ano 41... tivesse deixado os representantes da colônia judaica na completa ignorância sobre a seita dos Nazarenos, isto é, sobre o Evangelho de Jesus Cristo", p. 268. - Se houvera melhor atendido às circunstâncias do tempo e às disposições psicológicas dos israelitas dispersos não veria de certo esta absoluta incredibilidade do fato. Chegando a Roma, S. Pedro muito provavelmente começou a pregar o Evangelho entre os seus compatriotas nas numerosas sinagogas que então existiam na capital do Império. Alguns abraçaram o Evangelho, outros, a maior parte, repeliram-no. Depois de inúteis tentativas o apóstolo volveu-se para os pagãos, onde mais abundante se lhe afigurava a colheita de almas. No fim de alguns anos a cristandade romana era composta principalmente de gentios convertidos; e tão depressa medrara a nova igreja que a sua fama já se havia espalhado por todo o mundo, como no diz o próprio S. Paulo escrevendo aos Romano (I, 8), os obdurados filhos de Israel ficaram em boa parte parte alheios ao grande movimento religioso da cidade dos Césares. Ademais, quer parecer-nos que os judeus não falaram a Paulo com sinceridade e lisura. Calaram talvez o muito mais que sabiam sobre a nova religião para exprimir o que manifestava o seu desprezo pela "seita". Depois dos tumultos excitados em Roma, no tempo de Cláudio, 137 procuraram os fiéis da Sinagoga extremar-se dos novos prosélitos a fim de não ser envolvidos

___

137. Cfr. Suetônio, CLAUD., C. 25.




LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.89



a mesmo perseguição. A chegada de Paulo despertou a curiosidade deste soberbos próceres do judaísmo que haviam menosprezado a pregação do humilde pescador da Galiléia. O nome do antigo discípulo de Gamaliel, a qualidade de Fariseu e doutor da lei, celebrizado já nas sinagogas da Diáspora pelo ardor das suas pregações, atraíram novamente os principais da colônia judaica, que o quiseram ouvir. Mas Paulo não foi mais feliz que Pedro. Fora alguns poucos fiéis à graça, os outros endureceram na sua obstinação. O apóstolo repreendeu-os asperamente e dirigiu-se aos gentios: "Notum ergo sit vobis, quoniam gentilibus missum est hocsalutare Deis et ipsi audente".138 
Nenhuma maravilha, pois , que numa cidade em que os judeus se contavam aos milhares, alguns, induzidos pelos motivos acima, houvessem podido desprezar os cristãos e dizer, sincera ou fingidamente, a Paulo que pouco sabiam da nova "seita".
Nulo é pois o argumento tirado do silêncio de Lucas. Vamos ao

Silêncio de S. Paulo. - Na sua epístola aos Romanos o grande apóstolo saúda nominalmente mais de vinte irmãos. Ora, "absolutamente é incompreensível que fossem saudadas as ovelhas e não o pastor", p. 264. - Não é tal. S. Paulo escreve aos Efésios e não saúda a Timóteo que lhes deixara como bispo; escreve aos coríntios, aos gálatas, aos tessalonicenses  aos colossenses, ao hebreus e não lhes saúda os pastores. É possível que os portadores destas epístolas levassem especiais recomendações para os superiores hierárquicos. Não convinha englobar o nome do príncipe dos apóstolos numa multidão de humildes fiéis. Mais. Sabia S. Paulo que naquela ocasião se achava S. Pedro em Roma? Era talvez prudente nomeá-lo numa epístola pública que podia ver às mãos dos infiéis? Aí estão muitas razões que explicam o silêncio de Paulo e o tornam "absolutamente compreensível", sem de modo algum constranger-nos a rejeitar os documentos positivos já estudados.

- Mas, insiste o adversário, S. Paulo tinha por princípio "não edificar sobre fundamento alheio" como ele o declara nesta mesma epístola.139 "Se S. Pedro ali tivesse a sede de seu episcopado, S. Paulo não invadiria anarquicamente diocese alheia", p. 264.

___

138. Act., XXVIII, 28; cfr. ibid., 23-28.

139. Ad Rom., XV, 20.






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.90





Passe o cru da expressão. Antes de tudo, o princípio aqui enunciado por S. Paulo não é universal nem foi por ele sempre observado com inquebrantável rigidez. É sabido que o apóstolo das gentes pregou nas igrejas de Damasco, Antioquia e Jerusalém que não haviam sido por ele fundadas. Além disso, porém, o argumento aduzido, se algo prova, prova justamente o contrário do que se pretende.Leia-se todo o capítulo XV. Aí declara Paulo que não costumava pregar o Evangelho onde Cristo já fora anunciado a fim de não edificar sobre fundamento alheio. "Por isso, continua ele, também me via embaraçado muitas vezes para vos ir ver e não o tenho podido fazer até agora. Entretanto, não tendo já motivo para me demorar mais nestas terras e desejando desde muitos anos ir ver-vos, quando me puser a caminho para a Espanha espero que de passagem vos verei".140 Como se vê, o contexto funda uma conclusão oposta à que pretende o gramático brasileiro. Paulo comunica que, tencionando ir à Espanha, verá de passagem os romanos com os quais, de há muito, desejava entrar em relação. Não se deterá porém, porque não costuma edificar sobre fundamento alheio. É a afirmação implícita de que outro edificara antes dele. Já o dissera no princípio da epístola: "vossa fé é conhecida em todo o mundo"141 Já confessara que "os romanos estavam cheios de caridade, cheios de toda a ciência".142 Pouco depois dirá que eram tão submissos aos seus superiores eclesiásticos que "a obediência deles era notória em toda a parte".143
Antes pois da vinda de S. Paulo, já havia em Roma uma cristandade florescente, cuja existência e virtude eram conhecidas em todo o mundo cristão. Quem a fundara? Pedro, respondem todos os documentos. Negando a viagem de Pedro a Roma, os protestantes puseram-se à cata de novo fundador. As hipóteses, como era de esperar, enxamearam, qual a qual mais cerebrina. A menos inverossímil para CARLOS PEREIRA é que "tendo essa igreja o seu início mui provavelmente nos forasteiros convertidos por S. Pedro no dia de Pentecostes em Jerusalém, o nome deste apóstolo ficou indelevelmente ligado à nova comunidade, de que ele fora indiretamente o fundador", p. 285.




___


140. Ad Rom., XV, 22-24

141. Ad Rom., 1, 8.

142. Ad Rom., XV, 14.

143. Ad Rom., XVI, 19.







LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.91





Não lhe peço provas históricas desta ficção poética, porque não seria capaz de me aduzir uma só. Considero a hipótese em si mesma. É admissível que os apóstolos, na sua pregação, houvessem até então descurado Roma, a capital do império? Não é infinitamente mais provável que a cidade, cabeça do mundo, fosse convertida e cultivada na fé pelo príncipe dos apóstolos? Haverá coisa mais inverosímel que um romano convertido por S. Pedro tivesse, de volta à sua pátria, simples leigo e sem missão apostólica, não digo, persuadido um ou outro companheiro, mas fundado uma igreja que em poucos anos subiu a universal nomeada? A que extravagâncias leva um preconceito! Mais. Entre os ouvintes de S. Pedro em Jerusalém havia partos, medos, elamitas, frígios, egípcios, cretenses, árabes, etc., etc. (Act II, 9-11). Aplicai a teoria de CARLOS PEREIRA e tereis S. Pedro fundador indireto de todo este mundo de igrejas" E, no entanto, a história, obstinada, só associa o nome de Pedro à igreja de Roma. Que mau fado persegue os protestantes! Não acham uma só vez o nome de Pedro separado do de Roma e ligado exclusivamente a outra igreja!
O exame da epístola aos Romanos, longe, pois, de invalidar os nossos argumentos anteriores vem trazer-lhes uma inesperada confirmação. Não obstante, ouçamos o costumado epifonema final do alumiado crítico: "A epístola aos romanos varre, pois, a hipótese de ter estabelecido S. Pedro, até o ano 58, sua sede episcopal em Roma", p. 265.
- Outras epístolas escreveu de Roma o apóstolo das gentes. Nenhuma razão há que prove dever-se nelas fazer menção da presença de S. Pedro. Qualquer argumento que deste silêncio se pretenda inferir contra o fato histórico já demonstrado com provas positivas é radicalmente viciado na sua origem. Queixa-se por exemplo S. Paulo, na segunda epístola a Timóteo, que ninguém o assistiu na sua defesa? (2 Tim IV, 7). Apressa-se logo o protestante de concluir que S. Pedro não podendo ser envolvido nesta queixa "não podia estar em Roma neste tempo", p.269. Mas quem não vê que a recriminação de S. Paulo não cai senão sobre os cristãos que, tendo algum valimento na corte do império, o podiam auxiliar e de modo algum atinge o pobre pescador da Galileia  judeu como Paulo, e, como ele, sob o peso das mesmas suspeitas e das mesmas perseguições?







LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.92




Conclusão. - É tempo de rematar esta longa dissertação histórica. Da crítica imparcial a que submetemos, um por um, os argumentos da tese católica e os da sua antítese protestante, chegamos ao seguinte resultado: Pela presença de Pedro em Roma militam todos os documentos positivos sem exceção de um só: - testemunhos fidedignos de inúmeros escritores antigos, que, em cadeia ininterrupta, remontam do século XIV às origens do cristianismo, ao próprio S. Pedro; monumentos arqueológicos que, em admirável consonância com os documentos escritos atestam irrefragavelmente a verdade do mesmo fato; silêncio de todas as demais igrejas, nenhuma das quais reclama para si a honra de possuir o corpo do príncipe dos apóstolos, ou de haver sido teatro do seu martírio. Contra esta inexpugnável bateria de documentos, que podem alegar os protestantes? Nem um só, notai bem, nem um só documento antigo que negue a realidade do fato. E quão fácil fora aos antigos escritores, próximos ao acontecimento narrado, de posse de arquivos e obras hoje perdidas, refutar um invenção de tantas e tão graves consequências para toda a história e constituição hierárquica da Igreja!

Batidos no terreno das provas positivas, abrigam-se os adversários à sombra de argumentos negativos. S. Pedro não estevem em Roma porque não o dizem S. Lucas e S. Paulo. Argumento ex silêncio cuja inanidade não há crítica que não reconheça. O Sr. CARLOS PEREIRA, escreveu: "é evidentemente fatal à teologia infalibista (sic) este silêncio sistemático da história da igreja primitiva",144 p.280. Agora que o leitor tem presentes todas as peças do processo, perguntamos de que parte está o silêncio sistemático da história. Há testemunhas que afirmem a estada de S. Pedro em Roma? Inúmeras, autênticas, irrecusáveis. Há algum escritor que negue a estada do príncipe dos apóstolos na cidade eterna? Nem um só.
Que pensar agora desta "alta crítica moderna" para o qual "Pedro e Paulo como fundadores de Roma são um mito semelhante ao de Rômulo e Remo como fundadores da cidade"?, p. 265. - É a negação mais radical do senso crítico. Que semelhança entre um

___

144. Poucas páginas antes confessara CARLOS PEREIRA "que S. Pedro e S. Paulo são pela unânime tradição dos primeiros séculos proclamados os fundadores dessa igreja (Roma)", p. 265. A contradição é flagrante. E que significa "esta alta crítica moderna" que constrói a história a priori independetemente de todos os testemunhos próximos aos fatos? Que telescópio de alcance portentoso inventou a ciência protestante capaz de varar vinte séculos e descobrir um fato histórico sem o auxílio de documentos e testemunhos?






LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.93





fato público, ilustre, ocorrido em plena luz da história, atestado por testemunhas contemporâneas ou pouco posteriores, gravado indelevelmente em monumentos de reconhecida autenticidade, e do qual dependem inúmeros fatos dos séculos posteriores, e uma lenda que se perde na noite dos tempos, registrada por escritores que floresceram muito séculos mais tarde, indemonstrável com documentos ou monumentos dignos de fé e que traz em si própria o cunho da mais clara inverossimilhança?
Para honra, porém da crítica protestante manda a lealdade confessar que os seus maiores historiadores, antigos e modernos, não pefilam a negação partidária dos escritores de libelos contra a Igreja Católica. Entre os antigos lembramos os nomes de CAVE PEARSON, HUGO GRÓCIO, NEWTON, BLONDEL, MOSHEM E PFAFF. Entre os mais recentes: HASE, HUNDHAUSEN, NEANDER, LIGHTFOOT, CIESELER e HARNACK; Citarei apenas o testemumho deste dois últimos. "Na idade média negaram que S. Pedro houvesse estado em Roma os Valdenses, Marsílio Patavio, Miguel Cesenas, etc. Seguiram-nos Marcus Flaccius, Claudius Salmasius e Fred Spnheim, todos evidentemente levados por espírito de partidarismo religioso.145 Não é diferente a linguagem do célebre reitor da universidade de Berlim: " O martírio de Pedro em Roma, foi, tempos atrás, combatido por preconceitos tendenciosos de protestantes e críticos. Em ambos os casos o erro promoveu o conhecimento de importantes verdades históricas e com isso prestou o seu serviço. Mas, que fosse erro é claro par qualquer estudioso que não queira fechar os olhos.Todo o aparato crítico com que Bauer impugnou a tradição é hoje justamente tido por de nenhum valor".
146
___

145. GIESELER, lehrbuch der Kerchengeschichte, Bonn 1844, t. 1(4), p. 102.

146. HARNECE, Die Chronologie der altchristlichen Litteratur, Leipazig 1897, I, p. 244. Mesma observação em FILIPE SCHAFF, tão de casa ao nosso pastor. O professor de teologia na Pensilvânia atribui a negação desta fato evidente "parte a Zelo polêmico contra o Papado, parte a cepticismo histórico". Geschichte der Apololischen Kerche (2), Leipzig 1854, p. 366-7. Ao lado dos protestantes, ouça-se um notável crédito, historiador e arquólogo católico, H. GRISAR: "Se tutto non inganna, l'epoca di tali impuganzioni della tradizione romana é una volta per sempre finita. Fin dal secolo XVI quando fece capolino per la prima volta la regazione, essa porte troppo chiaro il sigillo della prevenzione teologica e dell'interesse de parte. Per una simile polemica non esiste oggi una base scientifica e non si há neppure la necessaria voglia di polemizzare". H. GRISAR, Roma alia fine dei mondo antico (2), Trad. ital. Roma 1908, p. 235. E. IM. D'HERBIGNY : "Só por ódio fanático contra a Igreja católica ainda hoje alguns ateus e propagandistas acatólicos difundem entre o vulgo a negação [da estada de S.; Pedro em Roma]: ou ignoram pasmosamente a verdade histórica, ou conscientemente a impugnam". De Ecclesia, Paris, Beauchesne, 1921, t. II (2).







LIVRO I - CAPÍTULO I - SÃO PEDRO EM ROMA - Pg.94





Como se vê, ainda nas altas rodas intelectuais do protestantismo - fora, já se vê, de GREENWOOD, autor de uma "obra prodigiosa" - a "alta crítica moderna" não passa de velho preconceito sectário de antigalha de museu, útil só para revelar à gente instruída psicologia da polêmica protestante.147
___

147. Bibliografia. CATALDO CAPRARA, La venuta di S. Pietro en Roma, Roma 1872; DE SMEDT, Dissertationes selectae in primam aetatem hitoriae ecclesiasticae, GANDAVI 1876, pp.1-49; C. MACCHI, La critica storica e Porigine della Chiesa romana, PRATO, GIACCHETTI, 1903; PAULO MONCEAUS, L'apostolat de Saint-Pierre à Rome, na Revue d'histoire religieuse, 1910,pp. 2316-240; SDANGUINETTI, De sede Romana B. Preti, Commentarius historico-criticus, Romae 1867. Consultem-se também os grandes tratados de Ecclesia que citaremos no fim do livro I.











===============================================================

Nenhum comentário:

Postar um comentário